Outras Notícias

EUA

  • Sessão na Casa do Alentejo debate situação internacional

    A «Administração Trump, a situação nos EUA e suas repercussões na situação internacional» foi o tema do debate promovido pelo CPPC no dia 20, na Casa do Alentejo, perante uma numerosa audiência. Na mesa, estiveram Ilda Figueiredo, presidente da Direcção Nacional do CPPC, o jornalista José Goulão e o major-general na reserva Pedro Pezarat Correia.

    Na intervenção inicial, Ilda Figueiredo adiantou que, com este debate, o CPPC procurava contribuir para o aprofundamento da análise da situação internacional decorrente da eleição de Donald Trump para a presidência dos EUA, não esquecendo o contexto em que esta decorreu, quer nos próprios EUA quer no resto do mundo. Esta situação, lembrou, era e é marcada pela persistência e agravamento da profunda crise económica e social, por uma grande incerteza e instabilidade e pela proliferação de conflitos, sobretudo no Médio Oriente e em África.

  • 15 anos da agressão ao Iraque

    No momento em que se assinalam 15 anos sobre a agressão militar contra o Iraque, e sua posterior ocupação pelos EUA e seus aliados – ocupação derrotada pela resistência iraquiana, mas que os EUA procuram fazer perdurar sob diversas formas – importa salientar o que ela significou para o povo iraquiano, de brutal violação dos mais elementares direitos humanos, de assassinatos sistemáticos, de desumanas torturas, de morte, sofrimento e destruição.

    Uma agressão e ocupação que representaram e representam ainda o atropelo e violação das mais elementares regras do direito internacional, nomeadamente o direito dos povos a viverem em paz e a decidirem soberanamente sobre o seu futuro, sem ingerências e pressões de qualquer espécie.

  • 5 estão em Liberdade - os Patriotas Cubanos presos nos EUA!

  • 50 anos sobre o massacre de Son My

    No dia em que se completam 50 anos sobre o Massacre de Son My, igualmente conhecido como o Massacre de My Lai, o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) recorda os 504 cidadãos vietnamitas, na sua maioria idosos, mulheres e crianças, que foram chacinados por militares do exército dos EUA durante a sua guerra de agressão contra o Vietname e o seu povo.

    Recorde-se que a agressão dos EUA ao Vietname decorreu, de forma indirecta e directa, de 1950 a 1975. Após a sua derrota, os EUA continuaram a aplicar um embargo contra o Vietname até 1994.

  • A Venezuela não é uma ameaça!

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação participou no lançamento, em Lisboa, da campanha de recolha assinaturas pela retirada da nota presidencial de Barack Obama, que reforçou as sanções contra a República Bolivariana da Venezuela, considerando que esta representa uma "ameaça inusual e extraordinária à segurança nacional e à política externa dos Estados Unidos". Uma nota que consiste em mais um grave passo na continuada campanha de pressão e ingerência que os EUA têm dirigido contra o povo venezuelano.
    Nesta iniciativa participaram dezenas de portugueses e também de venezuelanos que se encontram no nosso país.
    Lembramos que pode apoiar esta iniciativa em www.change.org/p/presidente-de-ee-uu-barack-obama-retiro-in…

  • Abandono da UNESCO pelos EUA é mais um símbolo da sua posição contra a liberdade e a Paz

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) condena a posição dos EUA de abandonar a UNESCO enquanto membro efetivo e passar ao estatuto de observador, com efeitos a partir de 31 de dezembro de 2018. A decisão foi formalizada no passado dia 12 pretextando a necessidade de reforma e alegada inclinação anti-israelita daquela organização. O primeiro ministro de Israel considerou a posição americana “corajosa e moral” e dispõe-se a também retirar o país da organização.

    Na realidade os EUA devem as respetivas anuidades à UNESCO desde 2011 – ano em que a administração de Barack Obama decidiu interromper o respetivo pagamento em represália pela aceitação da Palestina como membro efetivo da organização – causando com isso severas restrições financeiras.

  • Acção belicista dos EUA na Síria é uma ameaça à paz

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) denuncia a acção intervencionista e agressiva dos Estados Unidos e seus aliados na Síria, em flagrante violação da soberania, independência, integridade territorial da República Árabe Síria, ou seja, do direito internacional.

    Uma acção intervencionista que está clara e objectivamente do lado dos grupos terroristas que falsamente dizem combater – como o Estado Islâmico e a Frente Al-Nusra, braço local da denominada Al-Qaeda. Face às crescentes dificuldades que estes grupos enfrentam no campo de batalha, em resultado das sucessivas derrotas sofridas, multiplicaram-se os ataques norte-americanos e israelitas a instalações militares e aviões de combate sírios e a populações civis, procurando dar cobertura aos grupos terroristas no terreno.

  • Agravamento de sanções dos EUA ao Irão é ato reprovável

    agravamento de sancoes dos eua ao irao e ato reprovavel 1 20200323 1326957683

    O departamento de Estado norte-americano anunciou a imposição de novas sanções contra o Irão, no exato momento em que o país enfrenta um dos piores surtos do novo coronavírus no mundo, com cerca de 20 mil infecções e mais de um milhar de mortes.

    Esta foi a resposta da administração dos EUA aos apelos do governo iraniano e de diversas organizações pela suspensão das sanções de modo a que os iranianos pudessem aceder convenientemente a medicamentos, equipamentos e tratamentos clínicos.

    Várias organizações sociais consideram esta medida como terrorista, transformando um grave problema de saúde pública numa arma política e económica.

    Se as ilegais sanções promovidas pelos EUA e seus aliados sempre tiveram como principal alvo o povo Iraniano, o anuncio de novas sanções neste momento coloca completamente a nu a completa desumanidade da Administração dos EUA.

  • Agressão dos EUA à Coreia começou há 70 anos

    agressao dos eua a coreia comecou ha 70 anos 1 20200730 1245606188
     
    A intervenção militar dos EUA na Coreia, que ainda hoje permanece, começou há precisamente 70 anos. O objetivo – como sempre mascarado sob belas palavras – foi o mesmo que os levou anos mais tarde a agredir o Vietname: o de procurar travar o impetuoso movimento libertador dos povos, que se seguiu à Vitória sobre o nazi-fascismo na Segunda Guerra Mundial.
    Naquele país asiático, dominado durante décadas pelo Japão, duas tendências antagónicas disputavam o poder: as forças de resistência anticolonial libertaram o Norte (com o apoio da URSS), enquanto a Sul os EUA instalaram no poder antigos colaboradores das forças de ocupação japonesas, perpetuando a sua presença militar no país, assim como a divisão da Coreia.
  • Ameaças dos EUA contra o Irão são uma séria ameaça à paz

    ameacas dos eua contra o irao sao uma seria ameaca a paz 1 20190518 1766449948

    O Presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, anunciou, em Maio do ano passado a decisão do seu país de se retirar do Acordo sobre a Produção de Energia Nuclear pela República Islâmica do Irão, assinado em Julho de 2015, entre os EUA, a Alemanha, a China, a França, a Rússia e o Irão. A execução desse acordo tem sido monitorizada pela Agência Internacional da Energia Atómica, organização da ONU, a qual é unânime a atestar que o Irão tem cumprido escrupulosamente a sua parte.

    A par daquela decisão os Estados Unidos decidiram restaurar as sanções ao Irão, abrangendo a exportação de petróleo e de minerais – tais como ferro, aço, alumínio e cobre –, fazendo-as acompanhar de sanções contra empresas ou países que não cumpram os ditames da administração norte-americana, estando a aplicá-las a todos os países desde o inicio deste mês.

  • Análise publicada pela organização irmã Conselho de Paz dos EUA

    Com o intuito de contribuir para o debate e reflexão sobre a eleição de Donald Trump, o Conselho Português para a Paz e Cooperação divulga uma análise publicada pela organização irmã Conselho de Paz dos EUA logo após as eleições presidenciais e agora traduzida para português.

    Conselho de Paz dos EUA

    25 de Novembro, 2016

    Sumário executivo:
    No que se refere à vitória eleitoral de Donald Trump, o Conselho da Paz (CP) dos EUA primeiramente saúda todas as manifestações maciças em luta para melhorar as condições de vida dos trabalhadores, salvar o meio ambiente, respeitar as mulheres, contra o racismo, de apoio aos imigrantes e rejeitando a islamofobia. Embora muito do que Trump disse durante a campanha e o que ele significa é divisionista e destrutivo, é pouco provável que a maioria dos apoiantes de Trump tenha votado com base nas culpabilizações de Trump. Muitos, se não a maioria destes eleitores, manifestavam a sua ira com décadas de políticas de interesses económicos corporativos e de "globalização" que os deixaram mais pobres, isolados e sem voz. Enquanto o CP EUA apela à oposição às muitas guerras, ao aumento da militarização e da proliferação de armas nucleares, as afirmações inconsistentes de Trump oferecem uma oportunidade para insistir que o futuro Presidente Trump prossiga posições positivas, como a distensão com a Rússia, pôr fim à guerra na Síria e sugestões que a NATO está ultrapassada. As suas acções irão necessariamente enfurecer quer os republicanos quer os democratas do sistema e os eleitores anti-sistema. O movimento de paz e outros movimentos de massas nos EUA devem seguir as palavras de Mother Jones, "não lamentem, organizem", aumentem o nosso alcance e acções. Organizar para aquilo em que acreditamos e dar as boas-vindas aos eleitores anti-sistema que se juntam à luta.

  • Ato Público | Pela Justiça e Igualdade Social! Solidariedade com o povo dos EUA! | Lisboa

    ato publico pela justica e igualdade social solidariedade com o povo dos eua lisboa 1 20200608 1086524358

    Em todas as iniciativas do CPPC serão respeitadas as recomendações de salvaguarda da saúde pública.

  • Ato Público | Pela Justiça e Igualdade Social! Solidariedade com o povo dos EUA! | Porto

    ato publico pela justica e igualdade social solidariedade com o povo dos eua porto 1 20200608 1994535867

    Em todas as iniciativas do CPPC serão respeitadas as recomendações salvaguarda da saúde pública.

  • Ato público de solidariedade com o povo dos EUA | Lisboa

    ato publico de solidariedade com o povo dos eua lisboa 3 20200619 1413038169

    Realizou-se hoje, 9 de Junho, na Praça do Martim Moniz em Lisboa, o "Ato Público de Solidariedade com o povo dos EUA! Pela justiça e igualdade social" promovido pelo Conselho Português para a Paz e Cooperação, a que aderiram muitas outras organizações.

    Neste momento de afirmação da solidariedade com a luta do povo norte-americano pela justiça e a igualdade social, contra o racismo e a ameaça do fascismo, pela luta em defesa das liberdades e direitos democráticos, foram ouvidas intervenções de Filipe Ferreira, CPPC, de André Levy, biólogo e ator que viveu vários anos nos EUA e segue de perto a situação naquele país, de Paulo Renato, dirigente sindical filho de imigrantes, de Francisco Canelas da URAP e de João Barreiros do Conselho Nacional da CGTP-IN.

  • Ato público de solidariedade com o povo dos EUA | Porto

    ato publico de solidariedade com o povo dos eua porto 1 20200619 1660741429

    Junto à Casa da Música, no Porto, o "Ato Público de Solidariedade com o povo dos EUA! Pela justiça e igualdade social" promovido pelo Conselho Português para a Paz e Cooperação, com a participação de cerca de 100 pessoas, foi um momento de afirmação da solidariedade com o povo norte-americano que luta contra as injustiças, discriminações raciais e sociais e as profundas desigualdades que a pandemia da COVID 19 tornou ainda mais visíveis, com mais de 100 mil mortos da doença, mais de 40 milhões de desempregados vítimas da Administração de Donald Trump.

    Na iniciativa, que foi dirigida por João Rouxinol, dirigente do CPPC, intervieram o jovem Afonso Beirão, o professor e sindicalista Henrique Borges e Ilda Figueiredo, presidente da direção do CPPC, tendo-se afirmado a solidariedade com o povo dos EUA e os povos de todo o mundo que também são vítimas das ingerências, chantagens, bloqueios económicos e ameaças de agressão pela Administração dos EUA/Donald Trump, como acontece na América Latina e no Médio Oriente. Foram também denunciadas as manobras da NATO que estão a decorrer no Mar Báltico, apesar da pandemia, e as ameaças que pairam sobre o povo da Palestina, com a ameaça do atual governo de Israel, apoiado pela Administração dos EUA, agravar a ocupação no próximo dia 1 de Julho.

  • Basta de crimes! Não à provocação de Trump! Liberdade para a Palestina! Paz no Médio Oriente!

    No próximo dia 15 de Maio assinalam-se os 70 anos da Nakba – a «catástrofe», como a designa o povo palestino. Numa campanha premeditada, que acompanhou o processo de criação de Israel em 1948, as milícias sionistas destruíram mais de 500 aldeias, cometeram inúmeros massacres e expulsaram das suas casas cerca de 750.000 palestinos.

    Os massacres cometidos pelas forças armadas de Israel desde o dia 30 de Março último, Dia da Terra, para reprimir violentamente as dezenas de milhares de palestinos que se têm manifestado pacificamente na Grande Marcha do Retorno, matando dezenas pessoas e ferindo milhares, é prova eloquente que, setenta anos volvidos, a Nakba não terminou.

  • Basta de crimes! Não à provocação de Trump! Liberdade para a Palestina! Paz no Médio Oriente! - Porto

    cartaz 14 maio 2018 porto 1 20180430 1080061450

     

    No próximo dia 15 de Maio assinalam-se os 70 anos da Nakba – a «catástrofe», como a designa o povo palestino. Numa campanha premeditada, que acompanhou o processo de criação de Israel em 1948, as milícias sionistas destruíram mais de 500 aldeias, cometeram inúmeros massacres e expulsaram das suas casas cerca de 750.000 palestinos.

    Os massacres cometidos pelas forças armadas de Israel desde o dia 30 de Março último, Dia da Terra, para reprimir violentamente as dezenas de milhares de palestinos que se têm manifestado pacificamente na Grande Marcha do Retorno, matando dezenas pessoas e ferindo milhares, é prova eloquente que, setenta anos volvidos, a Nakba não terminou.

    É inaceitável e ultrajante que os Estados Unidos da América, pela voz do seu Presidente, Donald Trump, tenham decidido reconhecer Jerusalém como capital de Israel e transferir para aí a sua embaixada, precisamente quando se assinalam os 70 anos dessa Catástrofe. Trata-se de uma decisão que viola a legalidade internacional, encoraja os crimes da ocupação e colonização dos territórios palestinos e premeia a sistemática violação por Israel, desde há mais de sete décadas, do direito internacional e das resoluções da ONU.

  • Conselho Mundial da Paz condena os exercícios militares dos EUA e da Coreia do Sul

     

    O Conselho Mundial da Paz (CMP) expressa sua condenação veemente sobre os pesados exercícios militares recentes e em curso dos Estados Unidos e da Coreia do Sul, denominados “Key Resolve” e “Eagle 16” em torno da Península Coreana, que colocam novos perigos à paz e à estabilidade na região, com o objetivo de aumentar a tensão através da pressão sobre a República Popular Democrática da Coreia (RPDC).

    Os exercícios militares mencionados, com mais de 300 mil soldados da Coreia do Sul e 27 mil soldados do norte-americanos, um porta-aviões e navios de guerra com armamentos pesados, são dos exercícios militares de maior envergadura da história da região e acontecem no mesmo momento em que sanções são impostas pelo Conselho de Segurança da ONU (Resolução 2270) contra a RPD da Coreia.

  • Conselho Mundial da Paz exige libertação dos 3 cubanos presos nos EUA

    os cinco 1 20140228 1517325565

    Socorro Gomes, presidente do Conselho Mundial da Paz, enviou uma carta ao presidente dos EUA, onde é exigida a libertação imediata dos três cubanos injustamente presos naquele país.  

    O texto da carta:

    "São Paulo, 4 de Junho de 2014
    SR. BARACK OBAMA
    PRESIDENTE DOS ESTADOS UNIDOS
     
    Senhor presidente,
     
    Da mesma forma que muitos movimentos sociais, personalidades do meio acadêmico, científico e artístico, e especialmente renomados juristas estrangeiros, venho, na condição de presidente  do Conselho Mundial da Paz,interceder em favor da imediata liberação dos 3 cidadãos cubanos, injustamente presos  nos Estados Unidos por protegerem seu país de atentados terroristas.

  • CPPC condena ataque dos EUA, do Reino Unido e da França contra a Síria

    Pela Paz! Não à agressão à Síria!

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) condena veementemente o ataque contra a República Árabe Síria levado a cabo, na madrugada de 14 de Abril, pelas forças militares dos EUA, Reino Unido e França, e que contou com a já expressa cumplicidade da NATO, da União Europeia e de Israel.

    Esta agressão a um Estado soberano, em completo desrespeito pelos princípios da Carta das Nações Unidas e pelo direito internacional, é desencadeada quando a Síria e o seu povo têm obtido diversas vitórias face aos grupos terroristas e à sua hedionda e criminosa acção apoiada pelos EUA e diversos países seus aliados.