Perante a notícia de mais um grave acidente com refugiados no Mediterrâneo, ao largo da Líbia, onde estão já confirmadas dezenas de vítimas mortais e centenas de desaparecidos, o Conselho Português Para a Paz e Cooperação (CPPC) lamenta mais esta perda de vidas humanas e recorda que o drama dos refugiados e imigrantes, dos quais milhares de homens, mulheres e crianças morrem ao tentar atravessar o Mar Mediterrâneo, resulta da guerra e ingerência impostas pelas grandes potências Ocidentais, que integram a NATO e a União Europeia, contra Estados soberanos e povos do Norte de África e do Médio Oriente – de que são exemplo as guerras de agressão e destruição do Iraque, da Líbia e da Síria - mas igualmente com a crescente desestabilização de vários países africanos, com o objectivo de dominar a exploração dos seus recursos, nomeadamente energéticos, como o petróleo.

São os responsáveis pela destruição de Estados soberanos que não só não mudam a sua atitude de ingerência e belicista, como decidem responder ao êxodo humano que causaram com acrescidas medidas de cariz desumano, de carácter securitário, militarista e belicista que apenas agravam a situação daqueles que fogem à guerra e à fome.

O CPPC reafirma que apenas promovendo o fim da ingerência e da guerra, assegurando a desmilitarização das relações internacionais, o respeito da soberania dos Estados, a paz e o progresso se poderá dar resposta às imensas e urgentes necessidades de milhões de seres humanos.

Direcção Nacional do CPPC