Outras Notícias

  • Faleceu Carlos do Carmo 04-01-2021

    Ao tomar conhecimento do falecimento de Carlos do Carmo, personalidade ímpar da cultura portuguesa, da música, um dos maiores intérpretes do fado, democrata e...

  • CPPC homenageia Rui Namorado Rosa e 70 anos de luta pela paz 17-03-2019

    O CPPC homenageou Rui Namorado Rosa, membro da sua Presidência e que durante anos assumiu as funções de presidente e vice-presidente da direcção nacional. A...

  • Faleceu Armando Caldas 13-03-2019

    Hoje, 13 de Março de 2019, o encenador e actor, membro da Presidência do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), Armando Caldas, deixou-nos. Com um...

  • Homenagem a Rui Namorado Rosa 11-03-2019

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação tem o privilégio de contar com a participação, nos seus órgãos sociais, de Rui Namorado Rosa, que foi seu...

  • Falecimento de Vítor Silva 08-08-2018

    A Direcção Nacional do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) lamenta informar do falecimento de Vítor Silva, ocorrido na madrugada de hoje. Membro do...

Sim à Paz! Não à NATO - Porto 2019

sim a paz nao a nato porto 2019 1 20190408 1674698498

Decorreu no passado dia 5 de Abril um Ato Público "Sim à Paz! Não à NATO!" na rua de Santa Catarina no Porto, onde, apesar da chuva, foi possível distribuir muitas centenas de documentos. As intervenções denunciaram a NATO e a sua atividade, dando continuidade à luta de décadas do povo português e dos amantes da paz em todo o mundo pela dissolução da NATO – a maior ameaça à segurança e à paz mundiais.

Ali se referiram algumas das graves intervenções da NATO ao longo dos seus 70 anos de existência e se lembrou que a sua criação contrariou a formação de um sistema de segurança coletiva prevista na Carta das Nações Unidas, impondo ao mundo um bloco político-militar e a lógica da confrontação e da corrida aos armamentos.

Ali se exigiu, a dissolução da NATO; o fim das guerras de agressão promovidas pela NATO e pelos seus membros; a abolição das armas nucleares e de outras armas de destruição massiva; o fim da corrida aos armamentos e o desarmamento geral, simultâneo e controlado; a assinatura e ratificação, por parte das autoridades portuguesas, do Tratado de Proibição de Armas Nucleares; a defesa dos princípios consagrados na Constituição da República Portuguesa e na Carta das Nações Unidas, com particular significado quando se assinala 45 anos da Revolução de Abril.

Intervieram Maria Gomes da JCP; Nuno Coelho da USP/CGTP e Ilda Figueiredo do CPPC.

Sim à Paz! Não à NATO! - Lisboa 2019

sim a paz nao a nato lisboa 2019 1 20190408 1789219336

O Conselho Português para a Paz e Cooperação, em conjunto com duas dezenas de organizações, assinalou, ontem em Lisboa, os 70 anos da NATO com um ato público onde foram denunciados os crimes desta organização agressiva e os perigos que representa para a paz e segurança mundiais.

Durante a iniciativa foram distribuidos documentos informativos https://issuu.com/conselho_paz/docs/folheto_nato_paginas

Leia a intervenção do CPPC:

Ler mais...

EUA cometem ato contra o direito internacional e contra a paz

ocupacao dos montes gola 1 20190329 1429698182

A decisão dos Estados Unidos de reconhecer a ocupação dos Montes Golã por Israel é um ato contra o direito internacional e contra a paz.

A decisão dos Estados Unidos de reconhecer como legitima, a ocupação, por Israel, do território sírio dos Montes Golã, é uma flagrante violação do direito internacional, um desrespeito pelas decisões da Organização das Nações Unidas e um grave atentado à estabilidade e à paz no Médio Oriente.

O Conselho Português para Paz e Cooperação condena veementemente tal decisão, assumida pelos Estados Unidos e por Israel, e manifesta a sua solidariedade ao povo e à República Árabe Síria.

Ler mais...

Nos 20 anos da agressão da NATO contra a Jugoslávia. Não mais guerras de agressão! Defender a Paz!

nos 20 anos da agressao da nato contra a jugoslavia nao mais guerras de agressao defender a paz 1 20190329 1231735674

No momento em que se cumprem 20 anos da agressão militar da NATO contra República Federal da Jugoslávia (que compreendia a Sérvia e o Montenegro), o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) lembra, em primeiro lugar, o que ela significou de morte, sofrimento e destruição para a população jugoslava.

De 24 de Março a 10 de Junho de 1999, durante 78 dias de bárbaros bombardeamentos da NATO, que visaram a destruição de numerosas infraestruturas económicas e sociais da Jugoslávia, foram mortas quatro mil pessoas e muitos milhares foram feridas. Mas o calar das armas dos agressores não pôs fim ao massacre: de então para cá, sérvios e montenegrinos perecem vítimas de doenças do foro oncológico provocadas pela utilização por parte das forças da NATO de munições com urânio empobrecido, que contaminam terras e cursos de água e cujos efeitos se farão sentir por muitos anos.

Ler mais...