Outras Notícias

  • Faleceu Carlos do Carmo 04-01-2021

    Ao tomar conhecimento do falecimento de Carlos do Carmo, personalidade ímpar da cultura portuguesa, da música, um dos maiores intérpretes do fado, democrata e...

  • CPPC homenageia Rui Namorado Rosa e 70 anos de luta pela paz 17-03-2019

    O CPPC homenageou Rui Namorado Rosa, membro da sua Presidência e que durante anos assumiu as funções de presidente e vice-presidente da direcção nacional. A...

  • Faleceu Armando Caldas 13-03-2019

    Hoje, 13 de Março de 2019, o encenador e actor, membro da Presidência do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), Armando Caldas, deixou-nos. Com um...

  • Homenagem a Rui Namorado Rosa 11-03-2019

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação tem o privilégio de contar com a participação, nos seus órgãos sociais, de Rui Namorado Rosa, que foi seu...

  • Falecimento de Vítor Silva 08-08-2018

    A Direcção Nacional do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) lamenta informar do falecimento de Vítor Silva, ocorrido na madrugada de hoje. Membro do...

concerto pela paz lisboa 2018 4 20180523 1609965379O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) promoveu no passado dia 19 de Maio, no Fórum Lisboa, o seu 3º Concerto pela Paz em Lisboa.

O CPPC luta pela defesa dos ideais da Paz e Liberdade de todos os povos do mundo, trazendo à opinião pública a discussão de acontecimentos tais como os que estão presentemente na ordem do dia, nomeadamente o massacre dos palestinianos em Gaza perpetrado pelo exército israelita, os ataque à Síria e as provocações incendiárias de Trump à Coreia do Norte e ao Irão, que se tornam perigosos focos de instabilidade e ameaça à Paz no mundo.

Este concerto constituiu

um espectáculo de alto nível, com notáveis intérpretes que são lamentavelmente na sua maioria, desconhecidos do grande público. As respectivas actuações foram entusiasticamente saudadas pela numerosa assistência.

Mais uma vez, como tem sucedido nas iniciativas deste tipo, a comunicação social primou pela ausência.

Que as estações privadas de televisão sigam as directivas censórias das respectivas políticas editoriais não surpreende porque entendem que para o espectador português, a viver num mundo de vozes silenciosas, é suficiente conviver até à exaustão com o futebol, os incêndios, a distorção dos factos convenientes e com o manto da mediocridade.

Mas da RTP, estação pública que deveria ter uma postura isenta e livre, cumprindo a sua missão de utilidade pública de informar e ter uma vertente pedagógica, não é aceitável, tornando-se até ofensivo, seguir um alinhamento na fruição da cultura que nada a distingue das outras.

Mas, presentemente a comunicação social e em especial a RTP, não querem entender que a qualidade da arte e a sua exposição pública elevam a sensibilidade colectiva a um plano superior. Pelo contrário como Karl Krauss alertou “para a subversão das ideias estéticas levadas a cabo na literatura e nas belas artes pelas forças omnipotentes do mercado, dos meios de comunicação de massas e da promoção publicitária.”

Com o meu reconhecimento e gratidão nomeio os artistas intervenientes neste concerto, B’rbicacho, Coro Infanto Juvenil da Universidade de Lisboa, El Sur, Luísa Amaro, Luísa Ortigoso, Maria Alice e Humberto Ramos, Peste & Sida, João Afonso, para além de todos os outros que o tornaram possível directores e técnicos de produção, sala, condução, som. Luz e logística e à equipa do Fórum Lisboa.

Manuel Begonha